O Olho do Mundo por Robert Jordan

14:19

A Roda do Tempo gira, e Eras vêm e vão , deixando memórias que se transformam em lendas. As lendas desvanecem em mitos, e até o mito já está há muito esquecido quando a Era o viu nascer


EDITORA: Intrínseca
ISBN: 9788580573619
ANO: 2013
PÁGINAS: 800


RESENHA: O primeiro livro de uma série composta por 14 volumes, A Roda do Tempo (do título original The Eye of The World), foi originalmente publicado em 1990 e chega mais uma vez até nós através da Editora Intrínseca.

Como todo o bom romance épico, Robert Jordan construiu um mundo completo, mitologia, religiões e raças, se utilizando da constante luta entre a luz e as trevas, assim como os jogos pelo poder, onde não se pode confiar em ninguém.

Esta luta tem se dado desde o momento da criação. Os homens sempre pensam se tratar de uma guerra nova, mas é simplesmente a mesma guerra redescoberta.

Esse mundo é controlado pela Roda do Tempo que tece uma Grande Teia, entrelaçando os fios da vida e do destino de cada um. Na primeira dobra que compõe essa Teia estão os ta'veren, pessoas destinadas a grandes poderes, cujos fios do destino só podem ser mudados pelo próprio Padrão das Eras e todos os fios das outras pessoas são forçados a girar em torno deles.

O Poder Único é o que faz girar a Roda, ele provém da Fonte Verdadeira que impulsiona a Criação,  e possui dois lados oposto - saidar e saidin - que trabalham em conjunto, as pessoas capazes de tocar esse poder são denominados Aes Sedai. Saidar é parte feminina que pode ser usada com segurança pelas mulheres, mas  a parte masculina Saidin é maculada pelo toque do Tenebroso, a antítese do Criador, que através das Eras vem lutando contra a figura lendária do Dragão, um homem ta'veren capaz de tocar o saidin, mas que até agora acaba enlouquecendo e morrendo antes de conseguir derrotar a poderosa força das trevas e por isso reencarna de tempos em tempos, é uma figura que traz pavor as pessoas que frequentemente o relacionam com o Rompimento do Mundo.

A Teia ainda pode ser tecida de muitas maneiras, e alguns desses desenhos seriam desastrosos. Para vocês, para o mundo. 

Podemos dizer que o prólogo é um ponta pé de mestre do autor, onde é narrado o final da última batalha entre o Dragão, na figura do lendário Lews Therin - O Fratricida - e o Tenebroso, também conhecido pelo nome Shain'Tan.  Logo após esse evento, se passaram três mil anos para que a Roda começasse a tecer uma nova trama. Segundo as lendas, o Dragão Renascido viria na hora de maior necessidade da humanidade e ele seria capaz de salvar ou destruir o mundo.

Rand al'Thor, Mat Cauthon e Perrin Aybara são amigos desde a infância e vivem na pacata e longínqua região de Dois Rios que se preparava para o festival de Bel Tine, o início da primavera após o inverno mais rigoroso das últimas décadas, quando na noite da comemoração é atacada por Trolloc's. Para se livrarem dessas terríveis criaturas, que pensavam existir somente em lendas, eles contam com a ajuda de uma desconhecida visitante.

Moiraine é uma Aes Sedai e acredita que um dos garotos possa ser o Dragão Renascido.

O calor do suor. O calor do sangue. Somente a morte é fria.

Robert Jordan tem uma grande capacidade de domínio na narrativa, instigando você a ler cada vez mais e perder a noção do tempo, enfrentei o sono durante algumas madrugadas apenas para poder ler mais um capítulo ou um determinado número de folhas. Praguejei, esperneei, falei sozinha, gargalhei e ainda batia palmas como uma foca. Sim, isso não é nenhuma mentira, eu mergulhei e me deixei levar.

Eu amei esse livro! Ele tem de tudo: aventura, ação, fantasia, doses de comédia e até mesmo um pouquinho de romance. Os personagens, principais e secundários, são cativantes e o que poderia se tornar massante devido ao número extenso de páginas acabou se revelando uma incrível jornada. Sem um final que acaba abruptamente, Robert Jordan encerrou a história e deixou apenas fagulhas propositais para que os personagens continuassem o seu caminho, um longo caminho.

- A folha vive o tempo que lhe cabe, e não luta contra o vento que a leva embora. A folha não provoca dano algum, e finalmente cai para alimentar novas folhas. Assim, deveria ser com todos os homens. E mulheres.  

Sei que me estendi um pouco dessa vez, mas foram 800 páginas de um livro que nos introduz a um mundo novo e com mitologias novas, que em nenhum momento se tornou lento. Acreditem, o que escrevi aqui não representa um terço do que é a história.

O Olho do Mundo esta agora entre os meus livros favoritos e eu não vejo a hora de ter em minhas mãos a continuação. Sendo assim, não se assustem com o número de páginas, pois é uma leitura recomendadíssima para quem esta afim de uma grande jornada!

Nota: 5.0 de 5.0

You Might Also Like

4 comentários

  1. Oi,
    Eu não sei nem o que dizer, sua resenha ficou ótima, detalhou vários pontos, o que foi uma maldade também né, porque me deu vontade de ler esse livro agora mesmo. AHSHAUAHAU Parabéns pelo o blog e pela resenha. Virei seguidor (=

    Lucas - Carpe Liber
    livrosecontos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ashuahsuhuahsuhahsua... Obrigada Lucas, fico muito contente por você estar acompanhando o blog agora! Se você gosta de livros com fantasia épica não perca tempo, pois é realmente bom.

      Até mais!

      Excluir
  2. Quero muuuuuito ler esse livro!!!! Quase comprava em inglês pouco antes de saber que a Intrínseca traria essa belezura pra nossas terras, até que O Olho do Mundo foi lançado e até agora: nem comprei. Meio que perdi as esperanças de lê-lo ainda este ano, mas do ano que vem ele não me escapa!
    Enfim, adorei. Fiquei com mais vontade de ler ainda! Bjos, Marina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estava correndo desesperada atrás de algum exemplar da Caladwin, quando a Intrínseca anunciou, fique tão empolgada que cheguei a comprar na pré-venda XD O devorei assim que chegou aqui em casa ahsuhausaus...

      Excluir