Chaplin - Uma Vida por Stephen Weissman

13:16

Ainda mais importante foi sua descoberta de que ao piscar para uma platéia - um truque que Chaplin usaria repetidamente voltando o rosto para a câmera e olhando para a lente - ele podia derrubar todas as barreiras formais entre espectador e ator, criando uma intimidade instantânea.


EDITORA: Larousse Brasil 
ISBN: 9788576356837
ANO: 2009
PÁGINAS: 320

RESENHA: Filho de dois atores em decadência, o menino que anos após faria o mundo sorrir através de seus filmes, passou por uma infância trágica, marcada pelo alcoolismo do pai e pela tragédia que abateu sua mãe. A sua ida aos sete anos de idade para o orfanato Hanwell foi uma experiência traumática e desagradável.

Os dois tipo memoráveis com os quais Chaplin mais se identificava eram Oliver Twist, secretamente nascido em berço de ouro, e seu colega bagunceiro da classe operária Jack Dawkins, que posteriormente iriam moldar a psicologia travesso do personagem vagabundo esfarrapado-elegante de Chaplin.

Apesar de ser uma criança semialfabetizada, tornou-se um verdadeiro gênio criativo. Aprendendo lições básicas sobre interpretações com sua mãe, foi olhando e observando, a forma com que aprendeu, não somente a imitar expressões e a maneira de movimentar as mãos, mas também passou a aprender a observar e estudar a humanidade. Vocês já leram algum de seus textos e poemas? São realmente grandes lições.

Resumindo a essência de seu colega artista Charles Chaplin, Stan Laurel disse:
Ele tinha olhos que obrigavam você a olhar para eles. Ele tinha a mais maldita forma de olhar para uma plateia. Ele tinha a mais maldita forma de olhar para você, no palco. Acho que ninguém nunca escreveu sobre os olhos dele. (...) Essa é a parte do grande sucesso dele - olhos que fazem você acreditar nele em qualquer coisa que faça. 

Mas, voltando ao assunto, descobrimos que Chaplin era dotado de uma memória extraordinária e grande capacidade de interpretação. Na obra Uma vida, Stephen Weissman trabalha com uma profunda análise da vida do autor, trazendo-nos elementos para uma melhor compreensão sobre a origem de suas obras e inspirações para seus personagens. Aprendemos que as lições trágicas que vivenciou foram levadas as telas, mascaradas pelos personagens e momentos cômicos. Como Weissman ressaltou Chaplin encontrou humor em meio a tragédia e a miséria.

Sua experiência mais memorável forma três semana dando folhas de papel a uma enorme impressora Wharfedale de seis metros de comprimento. Assombrado pela escala da "fera", o garotinho achou "que fosse me devorar" até ficar com "os nervos abalados com a besta faminta querendo ir na minha frente" - incidentes que, claro, iriam ecoar na infernal máquina cômica de Tempos Modernos.

Um livro encantador em sua forma, é minha primeira experiência com biografias. Confesso que até conseguir engrenar na leitura, as coisas pareciam andar de uma maneira lenta. Talvez, para os que possuem um conhecimento mais aprofundado sobre Charles Chaplin, esse livro seja apenas um tipo de "mais do mesmo", porém, como não conhecia quase nada sobre a vida de Chaplin cada capítulo  acabou se tornando para mim uma surpresa agradável.

Nota: 4.0 de 5

You Might Also Like

4 comentários

  1. Haaa... que legal!
    Eu assisti a alguns filmes dele e também, a um filme biografia! Em que a filha dele na vida real (Geraldine Chaplin) interpreta a mãe dele! Muito legal! Gostei muito!

    E fiquei com vontade de ler a biografia também! :P

    ;**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro os filmes dele e a biografia foi muito interessante por estudar o lado mais psicológico do ator e seus personagens... Geraldine abre esse livro!

      Fico feliz por ter gostado. Bjs!

      Excluir
  2. ADORO O CHAPLIN, e amo o filme Luzes da Cidade (tanto que tenho um quadro da linda cena no final em casa). A vida dele foi bem conturbada, mas é algo bonito a se estudar. Quem gosta de cinema precisa conhecer. Gostei da dica do livro :)

    Beijo!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comecei a ver Chaplin por influência do meu pai que é um grande fã e acabei amando igualmente quando comecei a prestar atenção nos enredos... Também tenho um quadro Raquel (presente do meu pai) XD mas do filme The Kid >.<

      Excluir